O Estado arrecadou até outubro mais 2,2 mil milhões de euros em impostos, comparado com os primeiros 10 meses do ano passado, sendo que só em IRS conseguiu mais 2,19 mil milhões de euros.

Défice do Estado baixa para 6,4 mil milhões até outubro

De acordo com a síntese de execução orçamental até outubro hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento, a receita fiscal do Estado está a crescer 8,4% nos primeiros 10 meses do ano.

Este crescimento face ao mesmo período do ano passado corresponde a uma receita acrescida de 2.204,7 milhões de euros, para um total de 28.332,1 milhões de euros que reverteram para os cofres do Estado com os diversos impostos cobrados este ano.

A maior diferença continua a ser a receita do IRS, que está com um crescimento acumulado de 29,9%, conseguindo assim mais 2.187,7 milhões de euros do que há um ano.

A receita com IRC cresceu 312,6 milhões de euros, colocando assim a contribuição destes dois impostos em 2,5 mil milhões de euros para a receita total.

Nos impostos indiretos, a contribuição global continua a ser negativa, mas o destaque deste mês é que a receita do IVA já está em níveis positivos, algo que não acontecia há vários meses.

Assim, a receita com IVA está agora superior em 43,4 milhões de euros à registada no mesmo período de 2012.

As receitas com o imposto sobre os produtos petrolíferos, o imposto sobre veículos, o imposto de selo e outros impostos continuam todos a cair, face há um ano, mas em níveis menos acentuados que o registado no período terminado em setembro, enquanto o imposto sobre o tabaco continua a cair ao mesmo nível.