O Governo chinês não tem qualquer intenção de desvalorizar a sua moeda para incentivar as exportações nem tem planos de iniciar uma guerra de divisas, assegurou o primeiro-ministro, Li Keqiang, à diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Li e Christine Lagarde mantiveram uma conversa telefónica na quinta-feira, a pedido do FMI, pouco depois de o organismo instar Pequim a melhorar a comunicação com o mercado sobre as suas políticas económicas, informam os meios de comunicação chineses.

Devido à preocupação com a depreciação da moeda, Li reiterou que “não há qualquer base” para uma contínua desvalorização do yuan e rejeitou que a redução do valor da divisa seja um mecanismo para impulsionar as debilitadas exportações do país.