Xavier Broseta, director de recursos humanos da Air France, foi agredido por funcionários esta segunda-feira, que lhe arrancaram a camisa. Também o presidente executivo da empresa, Frédéric Gagey teve de abandonar rapidamente a reunião da direção da empresa, que foi convocada para apresentar o plano de reestruturação da empresa que inclui o corte de 2.900 postos de trabalho.

Segundo a rádio francesa RFI, dezenas de funcionários invadiram a sede do grupo e obrigaram os membros da direção da Air France a fugir. O vice-presidente da empresa, Pierre Plissonnier, teve de ser ajudado pela polícia a fugir aos manifestantes, ficando com a roupa rasgada.

Veja o vídeo:



Deux directeurs d'Air France agressés par des... por ITELE

"A direção da Air France condena fortemente a violência física que aconteceu depois da interrupção da reunião", declarou um porta-voz da holding Air France-KLM, que revelou que vai apresentar queixa por violência agravada.

Depois de conhecidos os planos da transportadora aérea, quatro sindicatos anunciaram uma greve nacional, que deve provocar atrasos nos voos.

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse estar "escandalizado" pela violência.

"Faço um apelo a todos para que se esforcem. Obviamente, é preciso ter um diálogo, sentar à mesa de trabalho", disse, por sua vez, o porta-voz do governo francês e ministro da Agricultura, Stephane Le Foll.

A Air France foi fundada em 1933 e é a maior companhia aérea francesa, empregando mais de 58 mil pessoas.