A desblindagem de estatutos no BPI te dois efeitos positivos para o presidente do Conselho de Administração: para além de desbloquear a situação do banco no que toca à OPA lançada pelo CaixaBank, permite ainda a tomada de decisões no âmbito do processo de compra do Novo Banco, negócio que seduz o BPI.

O banco está a estudar seriamente essa operação e vai continuar a estudá-la e a tomar decisões. O aspeto que hoje ficou resolvido permite ao banco tomar posições quando for a altura, e quando for conveniente, porque não está bloqueado nas exigências de capital".

Artur Santos Silva deu esta indicação na conferência de imprensa que se seguiu à assembleia-geral de acionistas, no Porto, que durou menos de uma hora. Em janeiro deste ano, o presidente do BPI, Fernando Ulrich, tinha dito que ia analisar as condições do novo processo de venda

O Novo Banco está atualmente em processo de venda, o segundo depois de o primeiro ter sido suspenso há precisamente um ano, em setembro de 2015, com o Banco de Portugal a considerar que nenhuma proposta era interessante.

Veja também - Novo Banco e Caixa: o que o Governo prometeu a Bruxelas

BCE deu "indicações claríssimas" para haver decisão

Artur Santos Silva assumiu ainda que tinha "indicações claríssimas" do Banco Central Europeu de que "o assunto da desblindagem" dos estatutos "tinha que ser decidido hoje", sob pena de existirem "consequências para o banco".

Aquilo que o Conselho [de Administração] fez [na proposta à Unitel, de Isabel dos Santos, com quem tem em Angola o Banco Fomento de Angola] foi determinante. Havia indicações claríssimas do BCE que o assunto da desblindagem tinha que ser decidido hoje, ou teríamos consequências para o banco".

A proposta de alteração dos estatutos apresentada pelo Conselho de Administração do BPI foi votada favoravelmente por 94,04% do capital presente ou representado na reunião magna. Já a proposta apresentada pelo acionista Violas Ferreira Financial obteve votos a favor de 88,22% dos votos expressos.

A desblindagem de estatutos deixa o caminho livre ao CaixaBank na OPA que anunciou há poucos meses. O presidente do banco espanhol já se mostrou satisfeito com a decisão tomada na assembleia-geral do BPI.