Portugal será o sexto país do euro com maior défice orçamental e terá também a terceira maior dívida pública em percentagem do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

No "Fiscal Monitor", um documento com as previsões orçamentais para vários países do mundo, o FMI espera o défice de Portugal seja o sexto maior entre as 19 economias do euro este ano (3,1%), sendo ultrapassado apenas pelo de Espanha (4,4%), da Grécia (4,2%), de França (3,8%), da Eslovénia (3,7%) e da Finlândia (3,2%).

Portugal lidera também os países do euro com maior dívida pública, antecipando a instituição presidida por Christine Lagarde que o endividamento do país chegue ao final de 2015 nos 127,8%, atrás de Itália (133,1%) e da Grécia (196,9%), que deverá ser a economia mais endividada entre as 19 da moeda única.

Em 2020, em termos relativos, a posição de Portugal piora, passando a ter o segundo maior défice do espaço do euro e a manter a terceira maior dívida, de acordo com as previsões agora divulgadas no documento, produzido pelo Departamento de Assuntos Orçamentais do FMI, chefiado pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar.

O Fundo espera que o défice português seja de 2,3% em 2020, sendo apenas ultrapassado pelo da Eslovénia (5,1%), e que a dívida pública de Portugal seja nesse ano de 118,9% do PIB, continuando Itália (123%) e a Grécia (182,5%) a ter as duas maiores dívidas públicas face ao PIB entre os países da moeda única europeia.

O FMI prevê que a zona euro no seu todo apresente défices orçamentais consecutivamente pelo menos até 2020, o último ano das projeções hoje apresentadas, e que a dívida pública continue ainda mais de 20 pontos percentuais acima dos 60% do PIB, o valor de referência europeu.

Para 2015, a instituição antecipa que a zona euro tenha um défice orçamental de 2% e uma dívida pública de 93,7%, valores que deverão cair ao longo do horizonte da previsão, ficando o défice nos 0,2% e a dívida nos 85,2% em 2020.