O número de idosos com direito ao Complemento Solidário aumentou quase 1.200% entre 2006 e 2013, sendo maioritariamente mulheres, com idade entre os 75 e os 84 anos, que recebem, em média, cerca de mil euros por ano.

O Complemento Solidário para Idosos (CSI) é um apoio pago mensalmente às pessoas com mais de 66 anos que têm baixos recursos e recebem a pensão de velhice do regime geral da Segurança Social.

Segundo os dados do mais recente relatório do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social (MSESS), o ano de 2013 terminou com 237.811 idosos a receberem esta prestação social, o que significa um aumento de 1.184,4% em relação a 2006, quando eram 18.515.

O número de beneficiários do CSI «cresceu de forma constante até 2010, verificando-se nos três últimos anos um comportamento inverso», lê-se no relatório.

A partir de 2010, o número de idosos com direito ao CSI foi baixando, passando de 265.070, para 248.792 em 2011, 244.927 em 2012 e 237.844 em 2013, o que significa que nestes três anos registou-se uma diminuição de 10,27%.

Os beneficiários do CSI são maioritariamente mulheres, que «representam sempre mais do dobro dos homens, independentemente do ano em análise».

Por outro lado, ao longo destes oito anos, o escalão etário tem vindo a oscilar e se entre 2006 e 2009 o grupo etário entre os 70 e os 74 anos era predominante, em 2010 a faixa etária mais representativa foi a que abrange os idosos com idades entre os 65 e os 69 anos, evoluindo, nos últimos três anos, para as idades entre 75 e os 79 anos.

Em 2013, no entanto, a faixa entre os 75 e os 84 anos compreendia 107.821 idosos, o que representa um peso de 45,3% do total de 237.844 beneficiários.

Já no que diz respeito ao valor médio anual das prestações, o GEP revela que tem vindo a aumentar, registando-se um aumento substancial em 2008, mas uma «relativa estabilidade» nos últimos três anos.

«Por comparação com 2006, no ano de 2013 o valor médio anual da prestação de CSI registou uma taxa de crescimento de 49,4%», lê-se no relatório.

Isto porque se em 2006 o valor médio anual era de 731 euros, em 2013 chegou aos 1.092 euros, cerca de 91 euros por mês.

Em 2013, aliás, há registo de 181.942 idosos a receberem até 100 euros por mês, o que faz com os escalões de valor mensal entre 0 e 50 euros e 50 e 100 euros sejam os mais representativos.

No relatório, o GEP faz também referência à pensão social de velhice, mostrando que «o número de beneficiários tem vindo a diminuir de forma consistente desde o ano de 2005, existindo em 2013 menos 3.286» do que naquele ano.

Na evolução destes nove anos, há um decréscimo de 11,3%, já que em 2005 eram 28.902 beneficiários e em 2013 25.616.

No domingo assinala-se o Dia Internacional da Solidariedade.