A ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, afirmou esta sexta-feira que o país está numa fase de melhoria da atividade económica e do sentimento de confiança, mas admitiu que ainda existem «muitos desafios para vencer».

Maria Luís Albuquerque falava no Barreiro, na inauguração do Business Center da Baía do Tejo, gestora de parques empresariais.

«O país inicia agora» uma fase «de melhoria da atividade económica e do sentimento de confiança, não obstante as grandes dificuldades que ainda temos pela frente e os desafios que temos que vencer. Existe um sentimento de confiança e podemos olhar para o futuro com mais esperança», afirmou.

O presidente da Baía do Tejo, Jacinto Pereira, explicou que o Business Center vai aumentar o portfólio de produtos e que tem como foco principal acolher projetos e empresas em início de atividade ou pequenas empresas.

Jacinto Pereira disse ainda que, pela primeira vez nos últimos anos, a Baía do Tejo conseguiu em 2013 um saldo positivo em relação a entradas e saídas de clientes dos parques.

Maria Luís Albuquerque referiu que parte dos bons resultados da empresa se deve à recuperação económica do país.

«Quero acreditar que uma parte desse sucesso possa já ser evidência da recuperação económica que começamos a sentir. Isto sem demérito para o esforço feito pela administração, pois é preciso aproveitar as oportunidades», defendeu.

A Baía do Tejo, empresa do universo Parpública, tem a seu cargo a gestão dos Parques Empresariais Baía do Tejo, localizados no Barreiro, Seixal e Estarreja, bem como a gestão do projeto Arco Ribeirinho Sul, de reconversão das antigas áreas industriais da Quimiparque, Margueira e Siderurgia.

«O distrito de Setúbal e as áreas dos três concelhos têm enorme potencial pela sua localização geográfica, pela sua proximidade a vias para escoar a produção e por recursos humanos qualificados», disse a ministra.

Maria Luís Albuquerque manifestou também confiança na continuidade da recuperação económica do país e afirmou que é preciso trabalho e persistência.

«Temos esperança de que a economia vá continuando a recuperar. O espaço [da Baía do Tejo] já cá está e esperamos que consigam dinamizar negócios e atrair empresas. Mas não é uma coisa que se faça de um momento para outro, é preciso trabalho e persistência», concluiu.

À chegada, a governante foi recebida com protestos, com cerca de três dezenas de manifestantes a pedirem a demissão do Governo e mudanças de política.