Com a Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo e única acionista dos Hotéis Tivoli, falida a cadeia hoteleira entrou no Tribunal do Comércio de Lisboa com um Processo Espacial de Revitalização. Esta é a última solução para evitar declarar falência.

Segundo o «Diário de Notícias», à espera da resolução deste caso estão 822 credores, na sua maioria empresas de prestação de serviços ao grupo hoteleiro.

Note-se que, a 31 de dezembro de 2013, o grupo tinha 136 milhões de euros de passivo acumulado.

De acordo com o mesmo jornal, entre as instituições a que os Hotéis Tivoli devem dinheiro estão empresas de alimentação, agências de viagens, serviços municipais de água, a EDP e o chef Olivier, que explorou um restaurante num hotel na Avenida da Liberdade, em Lisboa.