A Argentina depositou esta quinta-feira cerca de mil milhões de dólares num banco norte-americano para cumprir os seus compromissos com os credores que aceitaram a reestruturação da dívida do país.

Em conferência de imprensa, o ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, afirmou que este pagamento é devido a 30 de junho e que o depósito ilustra a «vontade da Argentina de honrar os seus compromissos» com todos os credores «de forma justa, equitativa e legal».

Na semana passada, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos confirmou uma sentença do juiz Thomas Griesa que ordenou à Argentina o pagamento a fundos litigantes detentores de dívida não reestruturada de 1,3 mil milhões de dólares, acrescidos de juros, ou seja cerca de 1,5 mil milhões de dólares, antes de prosseguir os pagamentos aos credores que aceitaram a reestruturação da dívida.

A Argentina contestou a decisão judicial, alegando que é «parcial» e o ministro afirmou que «a verdadeira intenção é levar o país ao default (incumprimento) para destruir as reestruturações de dívida de 2005 e 2010 alcançadas após longas negociações e com um consenso de 92,4%» dos credores.