O programa de vistos gold obteve «o melhor registo mensal» em outubro, com a captação de mais 126 milhões de euros de investimento, anunciou esta terça-feira a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário.

Em comunicado, a CPCI refere a evolução «muito favorável» do programa destinado à captação de investimento estrangeiro, sublinhando que dos 126 milhões de euros captados em outubro, 108,3 milhões (86%) destinaram-se a investimento em imobiliário nacional.

Desde o início do programa de vistos gold, em 2013, «os recursos externos aplicados em território português ascendem já aos 1.076 milhões de euros», indica também a mesma entidade. Desse montante, 972 milhões de euros (90%) são para compra de imobiliário.

No entanto, a CPCI chama a atenção para a necessidade de ajustar o programa de vistos gold e o Regime de Tributação de Residentes Não Habituais «às especificidades de todo o território nacional e a domínios estratégicos como a reabilitação urbana e a valorização de regiões com elevado potencial, em especial no interior do país».

De acordo com a confederação, deveria ser possível que ainda neste Orçamento do Estado para 2015 se adotassem mais instrumentos de captação de investimento privado nacional e estrangeiro, juntamente com «uma adequada política de investimento público».

«O país tem ainda 3,8 mil milhões de euros por executar no atual QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional)», dos quais 2.000 milhões se destinam a infraestruturas para a competitividade e dinamização de economias locais, e aos quais se irão juntar ainda as verbas do Portugal 2020, adianta ainda a mesma entidade.

«A CPCI reitera a importância da dinamização do investimento, o qual se encontra, tal como apontado pela própria Comissão Europeia, a níveis insustentavelmente baixos», conclui.