O lucro dos CTT - Correios de Portugal subiu 26,5% no ano passado, face a 2013, para 77,2 milhões de euros, anunciou esta quarta-feira a empresa liderada por Francisco de Lacerda.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os CTT adiantam que os rendimentos operacionais totais cresceram 2,4% para 717,8 milhões de euros, «invertendo cinco anos de declínio».

O resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) recorrentes (antes de rendimentos e gastos recorrentes) subiram 9,9% para 135,1 milhões de euros.

Os CTT adiantam que os rendimentos de correio inverteram a tendência passada e subiram 0,8%, resultante da desaceleração na queda no tráfego de correio endereçado para 5,7% e do aumento do preço médio do Serviço Postal Universal de 4,1%.

Além disso, «os serviços financeiros consolidam a oferta e posição de mercado e conseguem um forte crescimento dos rendimentos recorrentes de 21,4%, reforçando esta alavanca como fundamental no crescimento global dos CTT», acrescentam.

No caso do expresso e encomendas, estas apresentaram um «decréscimo marginal de rendimentos de 0,4%, apesar do tráfego crescer 0,9%, em resultado do efeito de 'mix' de produtos, já que o crescimento está a ocorrer principalmente no segmento 'B2C' [negócio virado para o consumidor]».

O presidente dos CTT anunciou que a empresa vai propor, na assembleia-geral de 5 de maio, a distribuição de dividendos no valor de 69,75 milhões de euros, equivalente a 0,465 euros por ação.

Esta distribuição está sujeita à deliberação favorável da reunião magna de acionistas dos CTT e o pagamento está previsto para 29 de maio deste ano.

Os CTT pagaram, no ano de 2014 relativo ao exercício de 2013, um dividendo de 0,40 euros por ação, pelo que o retorno para os acionistas (valorização mais dividendo, calculado com base no preço da ação a 31 de dezembro de 2013) foi de 51,46% neste período.