O presidente do Conselho Económico e Social (CES), Luís Filipe Pereira, disse à Lusa, esta sexta-feira, que já manifestou indisponibilidade para continuar a presidir ao órgão de concertação económica e social.

Contactado pela Lusa, Luís Filipe Pereira afirmou que "é verdade" já ter comunicado ao negociador do PSD, Luís Montenegro, a sua indisponibilidade para continuar a presidir àquele órgão, após sucessivos adiamentos da eleição para o CES por falta de consenso entre os grupos parlamentares do PSD e do PS.

O antigo ministro da Saúde assumiu funções a poucos meses das eleições legislativas, sendo o mandato para aquele órgão externo à Assembleia da República coincidente com cada legislatura.

Com as posteriores formações do segundo Governo PSD/CDS-PP e do atual executivo socialista, a substituição do antigo ministro da Saúde, apesar de o PSD defender a continuidade, foi sendo adiada.

A eleição para o CES exige maioria de dois terços dos deputados, forçando assim um acordo entre partidos. Luís Filipe Pereira sucedeu neste órgão constitucional de consulta e concertação social a José Silva Peneda, o qual se tornou conselheiro especial do presidente da Comissão Europeia, o luxemburguês Jean Claude Juncker, em Bruxelas.