A Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) recebeu no primeiro semestre 37,3 mil reclamações, mais 17% do que no período homólogo de 2016, sendo a Meo o operador de telecomunicações com maior número de reclamações, divulgou esta quinta-feira o regulador.

Em comunicado, a Anacom refere que, do total de reclamações, a maior parte (30,5 mil) correspondem a comunicações eletrónicas, o que representa mais 13,5% do que no mesmo semestre do ano anterior.

Nos primeiros seis meses do ano, "a Meo foi o operador mais reclamado, sendo responsável por 38,5% das reclamações recebidas pela Anacom", adianta o regulador, acrescentando que a NOS segue em segundo lugar, "com 36,2%", enquanto a Vodafone Portugal reúne quase um quinto das mesmas (19,6%).

Já a NOWO registou 4,2% das reclamações.

Em todos os casos, a 'venda do serviço' e o 'cancelamento do serviço' estão entre os assuntos mais reclamados, representando 14,8% e 13,8% das reclamações, respetivamente", refere a Anacom.

A 'alteração das condições contratuais pelo operador', que representa 7,3% das reclamações, foi outro dos assuntos cujas reclamações mais subiram (+58,5%).

O regulador adianta que os serviços em pacote foram a oferta mais reclamada entre janeiro e junho, representando 28,4% das reclamações, seguido do serviço telefónico móvel, com 24,9%.

Além de registarem o maior volume de reclamações, os pacotes de serviços apresentavam também a maior taxa de reclamações (2,4 reclamações por mil clientes), e a única que se encontrava acima da média - 2,1 reclamações por mil clientes", refere.

A NOWO (antiga Cabovisão) e a NOS (operadora que resultou da fusão da Optimus com a Zon) "registaram taxas de reclamações superiores à méia no período em análise, 6,1 e três reclamações por mil clientes, respetivamente; seguindo-se a Meo, com 1,9 reclamações; e a Vodafone, com 1,4 reclamações por mil clientes".

Entre os restantes operadores de maior dimensão, "a NOS foi o único prestador que viu a sua taxa de reclamações diminuir face ao semestre homólogo".

No semestre, "registaram-se 5.435 reclamações sobre serviços postais, 14,6% do total de reclamações recebido pela Anacom, mais 26,5% face ao período homólogo".

O regulador adianta que os CTT são o prestador dos serviços postais mais reclamado, com 92% das reclamações, seguidos dos CTT Expresso, com 4,5%.

Cerca de 45% das reclamações registadas no primeiro semestre estão associadas a problemas na distribuição de envios postais. Os assuntos mais reclamados foram o 'atendimento' (22,6%), o 'extravio/atraso significativo' (14,6%) e a 'falta de tentativa de entrega ao destinatário' (12%)", aponta.

As reclamações sobre os serviços da sociedade da informação [subscrição de serviços ou conteúdos digitais pela Internet], apesar de representarem apenas 3% do total, têm registado um aumento muito expressivo, subindo de 386 em 2016 para 1.129 reclamações no primeiro semestre deste ano.