O indicador de sentimento económico da Comissão Europeia para Portugal subiu em setembro, contrariando a tendência europeia de queda registada tanto na zona euro como na União Europeia.

Confiança dos consumidores em máximos de 2006

Segundo o indicador, divulgado em Bruxelas esta segunda-feira, enquanto o sentimento económico recuou 1,0 pontos na União Europeia e 0,7 na zona euro (para 103,6 e 99,9 pontos, respetivamente), em Portugal subiu 1,1 pontos, face a agosto, para se fixar em 101,6 pontos.

Este indicador volta assim a melhorar, depois de em agosto ter caído e interrompido cinco meses de subidas consecutivas. Em território nacional, nos consumidores, melhorou de -28,2 para -23,9 pontos, no comércio a retalho de 1,2 para 2,0, na indústria de -7,4 para -6,5 e de -46,2 para 44,8 pontos no setor da construção.

A exceção foi o setor dos serviços, em que desceu de 2,6 em agosto para 0,4 em setembro.

Entre as maiores economias da zona euro, o indicador cresceu ligeiramente em Espanha (0,5 pontos), mantendo-se praticamente estável na Holanda (0,3), França (0,2) e Alemanha (-0,2), tendo caído em Itália (-0,9).

No conjunto da UE, o sentimento económico caiu nas maiores economias: -0,9 pontos no Reino Unido, -0,4 na Polónia e -2,6 na Suécia.

Segundo Bruxelas, a evolução negativa do indicador na zona euro e UE têm como principal causa uma deterioração da confiança no comércio a retalho e entre os consumidores.

Já o indicador do clima de negócios para a zona euro desceu em setembro para o valor mais baixo do ano (e desde outubro de 2013), após três meses de recuos. A Comissão Europeia não divulga dados deste indicador para os Estados-membros nem para o conjunto da União Europeia.