Um relatório publicado pela Comissão Europeia conclui que eventuais perdas futuras do Novo Banco poderão ser suportadas pelos contribuintes portugueses, escreve o Diário Económico.

O documento analisa sete casos mundiais de resoluções bancárias, entre os quais o BES, que teve lugar em agosto de 2014. E conclui que as experiências de resgate interno ocorrem geralmente após tentativas falhadas de ajudas públicas.

O documento é um dos vários discussion papers que os serviços da Comissão Europeia produzem para todos os anos, ou seja, o documento expressa as ideias das autoras e não representa necessariamente a posição oficial da Comissão.

O alerta é assinado por Ester Faia, conselheira da Comissão Europeia e Beatrice di Mauro, que já foi economista do FMI.

E contraria as garantias da ministra das Finanças, que tem reiterado que um eventual encargo decorrente da venda do Novo Banco será suportado pela banca e instituições financeiras.