A Comissão Europeia mantém Portugal no grupo de países que apresentam "desequilíbrios económicos excessivos". Na avaliação divulgada esta quarta-feira, Bruxelas reitera que o país continua a apresentar riscos nas finanças públicas, dívida ou mercado laboral.

“Baseado na análise do Programa de Estabilidade e tendo em consideração as previsões da primavera da Comissão, o Conselho considera que existe um risco de que Portugal não venha a cumprir as regras do PEC [Programa de Estabilidade e Crescimento]”, afirma o Conselho Europeu numa recomendação a Portugal, depois da análise dos programas nacionais de Estabilidade e de Reformas 2015-2019, no âmbito do Semestre Europeu.


Entre os 28 países da união Europeia, Portugal, França, Itália, Croácia e Bulgária são os países que apresentam desequilíbrios mais graves.

O grupo vai manter-se debaixo de "monitorização específica" e Bruxelas diz que são necessárias ações políticas "decisivas”.

Foi a 25 de fevereiro que se soube que Comissão Europeia incluiu Portugal nos casos complicados de desequilíbrios económicos excessivos, sublinhando, na altura, “riscos importantes” relacionados com o nível de dívida e desemprego. Bruxelas queria ”medidas decisivas” para manter o caminho da execução orçamental.