A Comissão Europeia confirmou esta quarta-feira à Lusa que está a analisar uma queixa que recebeu sobre a venda de participação da TAP, no dia em que foi assinado o contrato de venda de 61% da companhia aérea ao consórcio Gateway.

A Associação Peço a Palavra anunciou esta terça-feira que foi aberto um “processo oficial de inquérito” no âmbito da denúncia que efetuou em Bruxelas sobre a alegada ilegalidade do caderno de encargos da privatização da TAP, o gabinete de imprensa da comissária com a pasta do Mercado Interno indicou à Lusa que a Comissão recebeu efetivamente “uma queixa relacionada com a venda de participação da TAP”, não podendo identificar o queixoso, “e está a analisá-la”.

O consórcio que comprou a TAP reconhece que o negócio pode ser travado por um novo Governo no poder, mas está convicto que isso não acontecerá e que um novo executivo irá sempre aprovar o seu projeto.

"Mesmo que venha um novo Governo, tenho a certeza que vai aprovar o nosso projeto", disse o empresário português Humberto Pedrosa, do grupo Barraqueiro, em conferência de imprensa, depois de ter sido assinado esta quarta-feira o contrato de venda de 61% do capital social da TAP ao consórcio Gateway, que integra também o empresário norte-americano e brasileiro David Neeleman.