O presidente executivo do Millennium BCP está "mais otimista" do que no passado e diz que o banco vai recuperar a sua autonomia de decisão em 2017 com o pagamento da ajuda estatal, antevendo, ainda, um sistema financeiro mais equilibrado com a Caixa Geral de Depósitos a ser recapitalizada. 

“Acho que a CGD teve o seu apoio com o apoio de todos nós, todos sem exceção. Tem o assunto bem enquadrado", começou por dizer, no Cartaxo, 

O Millennium enquadrará o seu assunto, obviamente, a curto prazo. Penso que com o tema da Caixa e o Millennium enquadrado, pagando os 'CoCos' [obrigações convertíveis em capital contingente] a curto prazo, ficamos com um sistema financeiro mais estruturado e equilibrado e que pode apoiar a economia nacional e os empresários em Portugal”

Em julho, o Haitong Bank veio avisar que a necessidade de cobertura de provisões e de pagar ao Estadoaqueles instrumentos híbridos, os CoCos, podem forçar o BCP a um reforço de capital até 3,9 mil milhões de euros.

O presidente do BCP assegurou, antes disso, que a instituiçã oia manter uma “super” disciplina financeira e na melhoria do negócio para fazer face aos seus copromissos.

Recorde-se que o BCP registou prejuízos de 197,3 milhões de euros no primeiro semestre do ano, valor que compara com um lucro de 240 milhões de euros verificado no período homólogo de 2015.

Os bancos portugueses tiveram prejuízos acumulados de 463 milhões de euros enre janeiro e junho. As únicas exceções foram os lucros do Santander Totta e do BPI.