A maioria PSD/CDS-PP rejeitou três projetos de lei da oposição contra a privatização da Empresa Geral do Fomento (EGF), uma «sub-holding» estatal dedicada ao tratamento de resíduos e que faz parte do grupo Águas de Portugal.

As iniciativas de PCP, BE e PEV, que mereceram o apoio do PS, foram chumbados por sociais-democratas e centristas.

Comunistas e bloquistas apresentaram ainda resoluções para apoiar a unidade industrial eborense da multinacional norte-americana Kemet Eletronics, que emprega cerca de 300 pessoas, mas ambas foram rejeitadas também pela maioria, à exceção de um dos pontos em cada um dos textos.

PSD e CDS-PP aprovaram ainda a proposta de lei governamental sobre o regime especial de ativos por impostos diferidos, com a abstenção do PS e os votos contra a restante oposição.

O PS votou favoravelmente a proposta de lei do executivo de Passos Coelho e Paulo Portas relativo à atividade profissional de cadastro predial, uma transposição da legislação europeia, enquanto PCP, BE e PEV se abstiveram.