De acordo com o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar, Joaquim Ramalho, metade dos enfermeiros a contratar vão suprir necessidades permanentes existentes nos serviços.

Estes enfermeiros vão ser contratados para dar resposta a necessidades permanentes, cerca de 40. Os restantes são para aumentar a capacidade de alguns serviços, um reforço temporário”, explicou o administrador à agência de informação LUSA.

Joaquim Ramalho adiantou ainda que os contratos a termo certo poderão ser renováveis ou dar mesmo origem a vínculos por tempo indeterminado.

Já neste mês de julho, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses exigiu a “admissão imediata” de enfermeiros para o Algarve, numa altura em que a emigração de profissionais portugueses se mantém.