A Fujitsu, terceira maior tecnológica do mundo e a maior do Japão, investiu um milhão de euros no centro de competências internacional de Braga, unidade que emprega 100 pessoas e que é inaugurada numa cerimónia que conta com a presença do primeiro-ministro, António Costa.

"O investimento neste centro foi de um milhão de euros, empregando desde já 100 pessoas e estimando-se um rápido crescimento para os 300 colaboradores"

 Esta expectativa foi transmitida à Lusa pelo diretor-geral da Fujitsu Portugal, Carlos Barros. O centro de competências internacional de Braga arrancou este ano, "com os primeiros colaboradores a receberem formação no centro de competências de Lisboa, onde temos mais de 900 pessoas a prestar estes serviços de suporte técnico de excelência para todo o mundo", acrescentou o diretor-geral do grupo de origem nipónica.

O centro de competências da Fujitsu em Portugal, que inclui Lisboa e a extensão de Braga, "dirige-se a clientes nacionais e internacionais".

"Trabalhamos para dezenas de empresas nos mais variados setores de atividade. Atualmente, garantimos suporte a 350.000 utilizadores em mais de 150 países, dando suporte técnico especializado em 23 idiomas distintos e tendo apostado na formação contínua dos colaboradores, prestando uma média de 30 horas por ano de formação por cada agente/operador"

"Anualmente, a equipa do centro de competências responde a mais de 2,4 milhões de contactos, com uma notável taxa de resolução imediata, acima dos 80%", apontou o diretor-geral, salientando que os níveis de serviço prestados aos clientes "superam os 97%, o que atesta a elevada satisfação pelo trabalho desenvolvido em Portugal.

Porquê Braga?

O objetivo desta aposta em Braga foi descentralizar a operação. Isto porque "o centro de competências em Lisboa já ultrapassou as 900 pessoas".

"Optámos por Braga porque a região dispõe de uma população jovem, altamente qualificada (no nosso centro de competências mais de 80% dos colaboradores são licenciados) e com aptidão para falar mais de um ou dois idiomas fluentemente devido à emigração que tendencialmente acontece para França, Suíça ou Alemanha"

Além do centro de competências internacional em Lisboa, a empresa tem uma outra extensão de suporte em Marrocos.

Por cá, "o crescimento constante" da Fujitsu no mercado português "ao longo dos últimos anos faz antever em breve mais anúncios de expansão" da operação. "Acreditamos que Portugal apresenta características competitivas para a criação de emprego qualificado".

Maior empregador japonês em Portugal

A Fujitsu é o maior empregador japonês em Portugal e está há 38 anos no mercado português, dando trabalho a mais de 1.300 pessoas.

Carlos Barros disse que o investimento acumulado "é muito significativo, considerando uma operação que conta com 38 anos de história a servir grandes grupos na banca, administração pública, retalho, transportes, telecomunicações, energia". Além disso, aposta na investigação e desenvolvimento local para criar soluções à medida do mercado português no retalho e na administração pública.

"Nos últimos anos, o investimento nos centros de competências tem sido muito relevante e atingiu os 15 milhões de euros em recrutamento, gestão, formação, instalações, tecnologia e infraestruturas", detalhou. "Desenvolvemos em Portugal tecnologia que já foi exportada para outros países".