O Presidente da República alertou hoje que Portugal não vai encontrar competitividade nos salários baixos e desafiou os empresários a aproveitarem os indicadores de crescimento económico do país para investir, remunerando «adequadamente» os colaboradores.

«Já disse e repito, Portugal não encontrará, certamente, a sua competitividade nos salários baixos. Existem muitos outros países, mesmo da Europa, mas também fora da Europa, com salários mais baixos dos que se praticam em Portugal», alertou o Chefe Estado, Aníbal Cavaco Silva.

O que o país tem que fazer, segundo o Presidente da República (PR), é «ganhar» a sua «competitividade pela qualidade, pela inovação, pela criatividade e aproveitando a qualidade dos recursos humanos».

«Os empresários portugueses que não se atrasem nas decisões de investimento, que não se atrasem a olhar para mercados que estão para além da União Europeia. Têm que investir e remunerar adequadamente os seus colaboradores», avisou Cavaco Silva.

O PR discursava em Campo Maior, na inauguração do Centro de Ciência do Café (CCC), um investimento de mais de três milhões de euros por parte da Delta Ciência e Desenvolvimento, cofinanciado por verbas comunitárias.

Na intervenção, Aníbal Cavaco Silva defendeu que os empresários devem aproveitar o facto de Portugal se encontrar, «neste momento, numa rota de crescimento».

O Banco de Portugal «aponta que a economia portuguesa crescerá de forma cada vez mais acentuada no ano de 2014, no ano 2015, no ano 2016», disse, deixando um apelo ao tecido empresarial nacional.

«Apelo a todos os empresários para que aproveitem estas oportunidades que resultam de uma economia portuguesa que está a despertar para o crescimento e criação de emprego», afirmou.

E, ao mesmo tempo, os empresários têm que ter em consideração que «a Europa se está a mexer em sentido positivo, criando mais empregos e acelerando o seu crescimento económico».

Cavaco apela a empresários para que invistam no interior

O PR desafiou ainda os empresários a investirem no interior do país, aproveitando os seus recursos endógenos, dando como exemplo o percurso de sucesso da empresa Delta Cafés.

«É possível investir e criar empresas no interior do país e rentáveis. Isto mostra que o interior pode ser um campo atrativo para as empresas portuguesas desde que aproveitem as potencialidades locais, aquilo a que nós chamamos os recursos endógenos», disse o Chefe Estado, Aníbal Cavaco Silva.

Para o Presidente da Republica, os empresários «não devem pensar» apenas nos investimentos nos grandes centros urbanos, sublinhando que «vale a pena olhar» para o resto do país.

«Vale a pena olhar para o resto país, incluindo para o interior e o interior profundo e verificar quais são as suas potencialidades que podem ser transformadas em fatores de competitividade», declarou.

O PR discursava em Campo Maior, na inauguração do Centro de Ciência do Café (CCC), um investimento de mais de três milhões de euros por parte da Delta Ciência e Desenvolvimento, cofinanciado por verbas comunitárias.

Na intervenção na cerimónia em que também esteve presente o ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, Aníbal Cavaco Silva defendeu que os empresários devem aproveitar o facto de Portugal se encontrar, «neste momento, numa rota de crescimento».