O governador do Banco de Portugal afirmou, esta terça-feira à TVI, que o BES está capitalizado, mas que se for necessário há acionistas interessados em participar num aumento de capital.

«Se algum capital adicional fosse necessário, por força de riscos que neste momento não estamos a ver, seguramente que há acionistas interessados em participar num aumento de capital do BES», disse o Governador do Banco de Portugal.

Carlos Costa garantiu ainda o que a instituição que lidera tem dito em público nos últimos dias: «O BES está capitalizado, tem uma almofada de capital para fazer face aos riscos com que está confrontado, que tem a ver com a evolução da área não financeira da família».

Ainda assim, adiantou, se for necessário o BES «tem capacidade para mobilizar capital», pelo que «os depositantes podem estar tranquilos».

O governador garantiu ainda que «se o banco está sólido, não há crise sistémica».

Nas últimas semanas, foram tornados públicos vários problemas no Grupo Espírito Santo (GES), que têm levantado receios do contágio ao BES.

Para já, a mensagem do Banco de Portugal tem-se mantido a mesma, de que «a situação de solvabilidade do BES é sólida, que foram tomadas medidas» para evitar riscos de contágio ao banco resultantes do ramo não-financeiro do GES e que os depositantes não correm riscos.

O novo presidente executivo do BES, Vítor Bento, que substituiu o líder histórico Ricardo Salgado, disse esta terça-feira que a prioridade no banco é «reconquistar a confiança dos mercados» e pôr fim à especulação.