O Governo aprovou hoje a venda das participações sociais detidas pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no capital social das sociedades Mercantile Bank Holdings Limited, Banco Caixa Geral e Banco Caixa Geral – Brasil.

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros de hoje, os processos de alienação serão “feitos por via da transmissão da totalidade ou parte das ações representativas das participações sociais detidas pela CGD no capital social de cada uma das sociedades referidas, na modalidade de venda direta a um ou mais investidores”.

Em causa estão a Mercantile Bank Holdings Limited, sociedade de direito sul africano, o Banco Caixa Geral, de direito espanhol, e o Banco Caixa Geral – Brasil, de direito brasileiro.

“Este diploma contribui para o reforço da solidez financeira do banco público, bem como para o cumprimento do plano estratégico que se encontra subjacente ao plano de capitalização da CGD, correspondendo, nessa medida, à prossecução do interesse público”, lê-se no comunicado.

O Governo acrescenta que “concretiza, assim, mais um importante passo no sentido da execução do plano estratégico da CGD, subjacente ao plano de capitalização assegurado pelo Estado”.

Venda de participações em Espanha, Brasil e África do Sul não traduz saída dos mercados

A CGD garantiu que a venda de participações sociais no capital de três sociedades, na África do Sul, Espanha e Brasil, não traduz a saída desses mercados, estando acautelado o apoio às comunidades portuguesas.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o banco público indica que “estas alienações não traduzem a saída […] destes mercados, continuando a CGD a manter a sua presença e até a aumentar a relação com as comunidades portuguesas aí residentes, quer através de parcerias e de relacionamentos operacionais, quer pelas diversas plataformas relacionais existentes, nomeadamente através do serviço Caixa Direta Online e o serviço telefónico existente”.

O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, a venda das participações sociais detidas pela CGD no capital social das sociedades Mercantile Bank Holdings Limited, Banco Caixa Geral e Banco Caixa Geral – Brasil.

“A continuação do apoio aos clientes da Caixa e às comunidades portuguesas serão acauteladas nas condições de venda destas entidades. Os serviços de clientes à distância mantêm-se operacionais, tendo mesmo a CGD criado uma área de atendimento e gestão especializada de clientes não residentes”, lê-se no comunicado enviado ao mercado.

De acordo com a CGD, o banco Mercantille, na África do Sul, destina-se ao mercado empresarial. No Brasil, o banco representa menos de mil clientes e, em Espanha, a Caixa continuará presente, através de uma sucursal.

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros de hoje, os processos de alienação serão “feitos por via da transmissão da totalidade ou parte das ações representativas das participações sociais detidas pela CGD no capital social de cada uma das sociedades referidas, na modalidade de venda direta a um ou mais investidores”.

O Governo acrescenta que “concretiza, assim, mais um importante passo no sentido da execução do plano estratégico da CGD, subjacente ao plano de capitalização assegurado pelo Estado”.