Os participantes na assembleia-geral extraordinária da Associação Mutualista do Montepio deram na quinta-feira à noite 'luz verde' à alteração de estatutos da Caixa Económica, que permite separar os órgãos de administração do banco e da associação mutualista.

O ponto único da ordem de trabalhos, relativo a esta mudança estatutária, foi aprovado com 506 votos a favor e 44 votos contra, no encontro de mutualistas que decorreu na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, com início às 21:00 e fim às 23:30, segundo a informação prestada à agência Lusa por fonte oficial do Montepio.

No final de maio, esta alteração de estatutos já tinha sido aprovada em assembleia-geral da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), o chamado banco mutualista, detido a 100% pela associação.

"A modificação aprovada teve por propósitos, por um lado, alterar a política de governo da instituição ao proceder à eliminação de cargos por inerência, tornando-a totalmente independente do Montepio Geral – Associação Mutualista, e por outro lado, introduzir nos estatutos modificações decorrentes do novo Regime Geral das Instituições Financeiras, designadamente através da consagração da existência de diversos comités com competência especializada", informou na altura em comunicado o Montepio.


António Tomás Correia, que atualmente preside quer à associação, quer ao banco, vai ficar na liderança apenas da associação mutualista, ao passo que José Manuel Félix Morgado aceitou o convite que lhe foi endereçado para presidir o banco mutualista, depois de cumpridos todos os requisitos legais associados à mudança de estatutos.