As ações do BCP disparam mais de 10%, num dia marca pela recuperação do setor da banca em toda a Europa.

Os analistas acreditam que esta valorização também pode estar relacionada que a hesitação do presidente do banco, Nuno Amado, que ontem não descartou a possibilidade de avançar para o Novo Banco mas fez saber que o prazo era muito curto. Um comentário que estará a ser interpretado como um sinal de que o BCP fica fora desta corrida que, nas últimas semanas foi apontada com um fator penalizador do título.

Nuno Amado disse que a decisão do Reino Unido, de deixar a União Europeia, torna muito curto o prazo para apresentar manifestações de interesse pelo Novo Banco. Numa altura em que todo o setor continua muito fragilizado, sobretudo nos países do sul da Europa a braços com insolvência e planos de recapitalização da banca.