A proposta de fusão do BPI com o BCP, da angolana Isabel dos Santos, está a ser investigada pelo regulador da bolsa.

De acordo com o semanário «Expresso», a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) quer avaliar se o plano de fusão que daria origem ao maior banco em Portugal é séria, ou se se trata de um caso de «manipulação ruidosa» com objetivo de fazer subir o preço da oferta de compra do BPI por parte da CaixaBank.

Os espanhóis já detêm 44% do BPI e oferecem 1, 33 euros por ação.

A administração do banco recomenda aos acionistas que não aceitem e diz que o preço justo seria 2,26 euros por ação.

No entanto, o CaixaBank recusa subir a oferta.