Em plena época de apresentação de resultados em todo o mundo, o PSI20 abriu a ganhar 0,60% para os 4,702.16 pontos e assim se mantém, a acompanhar a tendência dos principais índices bolsistas no resto da Europa.

Além dos resultados das empresas que vão sendo divulgados, hoje os analistas e investidores querem também saber as conclusões da reunião da Reserva Federal norte-americana. Mas não esperam grandes novidades deste encontro, e antecipam que a Fed deverá esperar por Setembro para dar indicações mais concretas sobre o rumo da política monetária.

Por cá, o mercado recebeu bem os resultados do BPI divulgados ontem. As ações sobem 0,54% para 1,1170 euros depois de se saber que os lucros do semestre foram de 106 milhões com um crescimento de quase 40%. O banco liderado por Fernando Ulrich anunciou ainda cortes de mais de 300 colaboradores.

Em sentido contrário o BCP desce 1,53% para 0,0193 euros, depois desta manhã ter anunciado que adiava de hoje para sexta-feira a apresentação dos resultados, fazendo-a coincidir “com a publicação dos resultados dos testes de stress coordenados pela Autoridade Bancária Europeia (EBA), e realizados em articulação com o BCE (29 de julho de 2016 às 21h00, hora de Lisboa)”, disse a instituição em comunicado.

Pela negativa ainda a Jerónimo Martins, a descer 0,31% para 14,515 euros, e à espera de números semestrais a divulgar após o fecho do mercado.

Nos em alta à espera de resultados e já com acordo com a Meo

Também a Nos apresenta contas hoje mas, ao contrário da retalhista, está a ganhar 3,58% para 5,985 euros. Ontem a operadora de telecomunicações anunciou que tinha chegado a acordo com a Meo para a distribuição de conteúdos desportivos, incluindo a Benfica TV.

A Nos já tinha anunciado um acordo de partilha de conteúdos desportivos, primeiro com a Vodafone e depois Cabovisão.

O acordo agora também contempla a Meo e prevê "disponibilização recíproca de direitos”, como sejam os de “transmissão relativos a eventos desportivos”, bem como os de “transmissão e distribuição de canais de desporto e canais de clubes, cujos direitos de transmissão sejam atualmente detidos ou venham a ser adquiridos pelas partes".

O acordo fechado entre/ com as operadoras leva ainda à "comparticipação dos custos (atuais e futuros) associados a estes conteúdos desportivos".

Incluída está também a distribuição da Benfica TV - cujos direitos foram adquiridos pela Nos - nas plataformas da Vodafone, Cabovisão e agora Meo.

A Meo já não tinha qualquer contrato com a Benfica TV cujos direitos passaram para a Nos.

A partilha para os jogos do Benfica vale já para a época que vai começar, enquanto que os jogos de Porto e Sporting só serão vistos em todos as operadoras a partir de 2018.