A Bolsa de Lisboa foi das bolsas que mais valorizou esta segunda-feira, a reagir positivamente à subida, em um nível, do rating da República portuguesa da Standard & Poor’s. O índice PSI 20 subiu 1,17% e apenas foi ultrapassado pela bolsa de Amesterdão.
 
Um outro relatório – da agência de notação Moody’s – que analisa o adiamento da venda do Novo Banco e evidencia os riscos que podem advir dessa decisão para o setor financeiro, não teve praticamente efeito nos títulos da banca cotados. O BPI terminou o dia a valorizar 4,620% e o BCP fechou com uma ligeira subida de 0,2% para os cinco cêntimos por ação.

A ajudar o índice principal da Bolsa de Lisboa estiveram ainda os títulos da Portucel e da Altri, com ganhos, respectivamente, de 3,58% e 2%.

Também os pesos pesados do setor do retalho tiveram uma dia em terreno positivo. A Sonae ganhou 1,937% e a Jerónimo Martins 1,780%.


Volkswagen afunda 19%


Na Europa, o destaque, pela negativa, foi para as cotações da Volkswagen, a braços com uma acusação de fraude nos Estados Unidos, relacionada com a manipulação dos sistemas de controlo de emissão de gases poluentes. A construtora automóvel arrisca uma multa que pode chegar aos 15 mil milhões de euros e as ações chegaram a afundar 23% para terminarem o dia com uma queda de 18,6%, para os 132,2 euros por título.

A Bolsa alemã foi afetada por esta queda mas, mesmo assim, fechou acima da linha de água, com um ganho ligeiro de 0,54%.