Depois de ontem terem arrefecido o entusiasmo com o plano de estímulos de Mário Draghi, as bolsas europeias terminaram a semana com fortes valorizações, puxadas pelos títulos da banca, o setor mais beneficiado pelas medidas do Banco Central Europeu.

Milão liderou as subidas, com ganhos de 4,8%, seguida de Madrid (3,73%) e Frankfurt (3,36%). O índice setorial Euro Stoxx 600 Banks, que agrupa os principais bancos cotados europeus, valorizou 4,84%.

Lisboa ganhou 2,5%

Lisboa não ficou imune à tendência europeia, com o índice PSI 20 a ganhar 2,49% e a voltar a fechar acima dos 5.000 pontos, o que já não acontecia desde dia 2 de fevereiro.

A estrela do dia foi o Millennium BCP, que fechou com ganhos de mais de 13%, para o nível mais alto desde meados de janeiro. As ações do BCP terminaram a semana nos 0,0441€, com o banco a reagir não só às medidas do BCE, como também aos cenários de consolidação do setor bancário, na sequência das negociações que decorrem entre os dois maiores acionistas do BPI, o CaixaBank e a Santoro, de Isabel dos Santos. O BPI fechou esta sexta-feira com um ganho de 2,149%, para 1,2360 euros por ação.

O destaque do dia, pela negativa, foi para a Pharol, que afundou 8,163%, para 0,1350 euros.