O Bloco de Esquerda quer chamar Durão Barroso à comissão de inquérito ao Banco Espírito Santo. Os bloquistas não entendem ser «compreensível nem natural» que Ricardo Salgado tenha falado, segundo adiantou no Parlamento, com o presidente da Comissão Europeia sobre a crise no Grupo Espírito Santo.

«Se Durão Barroso, enquanto era presidente da Comissão Europeia, e uma vez que foi primeiro-ministro português, esteve ligado ao BES há vários anos, foi envolvido por Ricardo Salgado, se teve reuniões se teve conversas, tem que explicar exatamente qual foi o seu envolvimento neste caso». «Não nos parece compreensível nem natural que Ricardo Salgado tenha ido falar com o presidente da Comissão Europeia»

A porta-voz do BE, Catarina Martins, falava em Braga, citada pela Lusa, onde esteve para uma homenagem ao ex-deputado da UDP, Gonçalves da Silva, confirmando a intenção dos bloquistas, noticiada pelo «Expresso».

Na sua audição, Ricardo Salgado afirmou que contactou o então presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, para o avisar sobre os problemas do GES, garantindo, no entanto, que não lhe solicitou qualquer ajuda para o grupo empresarial. O Bloco quer, assim, «saber o que se passou» entre o ex-líder do PSD e o grupo GES.

«Aparece o nome dele citado em atas como uma das possibilidades de influência para tentar salvar o Grupo Espirito Santo e, portanto, perceber porque falou com Ricardo Salgado, o que falou e se tomou alguma diligência»


Na audição no parlamento, Ricardo Salgado assegurou que não pediu nenhum favor a Durão Barroso, nomeadamente, sobre uma eventual atuação do responsável junto do Governo português acerca do pedido feito pelo GES para receber um financiamento público, tendo explicado aos deputados as ligações entre o ex-presidente da Comissão Europeia e o GES.

José Durão Barroso «foi de facto conselheiro do grupo enquanto esteve em Washington e depois voltou para Portugal e deixou de ser conselheiro do grupo», revelou Salgado.