A RioForte apresentou esta terça-feira um pedido de falência no Luxemburgo, por «não estar em condições de cumprir com as obrigações decorrentes de determinadas dívidas».

Esta é a segunda empresa do Grupo Espírito Santo a avançar com um pedido de gestão controlada no Luxemburgo.

«A apresentação deste pedido está relacionada com as dificuldades substanciais ocorridas na sociedade que detém 100% do seu capital, a Espírito Santo Internacional - a qual apresentou um pedido de natureza semelhante no dia 18», explica a empresa em comunicado.

Esta informação surgiu no mesmo dia em que o Tribunal de Comércio do Luxemburgo aprovou o pedido de gestão controlada apresentado pela ESI, que declarou a 18 de julho não estar «em condições de cumprir as suas obrigações» quanto ao pagamento das dívidas.

A Rio Forte detém os interesses do GES nos sectores do imobiliário, turismo, agricultura, saúde e energia. A Rio Forte detém igualmente uma participação indireta (49%) no Espírito Santo Financial Group (ESFG), que detém as participações do grupo no setor financeiro, incluindo no Banco Espírito Santo (BES), no Banque Privée Espírito Santo, Suiça e na companhia de seguros Tranquilidade.

«A Rio Forte não está em condições de cumprir com as obrigações decorrentes de determinadas dívidas, cuja maturidade ocorreu desde 9 de Julho de 2014 e que se venceram após 16 de Julho de 2014», admitiu a entidade.

E acrescentou: «A Rio Forte acredita que uma restruturação transparente e ordenada da sociedade no âmbito de um processo de gestão controlada irá permitir a sustentabilidade financeira a longo prazo da Sociedade e, quando adequada, a negociação organizada dos seus ativos, tudo no melhor interesse de todos os seus stakeholders, em particular os seus credores».

Suíços compram parte do Banque Privée Espírito Santo

O banco suíço Compagnie Bancaire Helvétique (CBH) comprou parte do negócio de banca privada do Banque Privée Espírito Santo, instituição detida a 100% pela Espirito Santo Financial Group, holding que controla 20,1% do BES, anunciaram as instituições em comunicado.

«O Banque Privée Espírito Santo (BPES) anunciou hoje a venda de parte do seu negócio bancário ao banco suíço CBH Compagnie Bancaire Helvétique, S.A. O acordo abrange uma parte dos seus clientes nas regiões da Península Ibérica e da América Latina», lê-se no comunicado.

No mesmo documento, onde não são revelados os valores do negócio, as instituições comprometem-se «a trabalhar em estreita colaboração para alcançar as condições ideais para promover a transferência de clientes, estando esta sujeita a algumas condições».

«Estou convencido que encontrámos no CBH Compagnie Bancaire Helvétique uma excelente solução, que nos permite defender, da melhor forma, os interesses dos nossos clientes e dos nossos colaboradores», afirma, citado no comunicado, José Manuel Espírito Santo, Presidente do Conselho de Administração da BPES.

A venda agora anunciada surge depois de nas últimas semanas terem sido tornados públicos vários problemas em empresas da área não financeira do Grupo Espírito Santo (GES), que têm levantado receios de contágio ao BES, cuja gestão acabou de mudar de mãos.