A defesa do antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, não aceita a ideia transmitida por Stock da Cunha, de que os resultados do Novo Banco tenham sido prejudicados pela liderança do Banco Espírito santo (BES).

O comunicado da defesa de Ricardo Salgado atesta: "Como é evidente, passado mais de um ano e meio da resolução, o Dr. Ricardo Salgado não pode ser responsabilizado pela gestão do Novo Banco e muito menos pelas consequências da decisão de resolução, que sempre denunciou como um erro".

E vai mais longe: "É tempo de o Senhor Governador do Banco de Portugal assumir a responsabilidade pelos seu atos", refere.

O comunicado tenta reforçar ainda a confiança dos clientes entre as duas instituições bancárias. "Mais de um ano e meio depois da resolução, o Novo Banco tem menos 24% de depósitos e concedeu menos 33% de crédito do que o BES em 30 de Junho de 2014, o que demonstra que os clientes tinham mais confiança no BES do que têm no Novo Banco.

O Novo Banco teve prejuízos de 980,6 milhões de euros em 2015. Ontem, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a instituição sublinha que o resultado do exercício é reflexo do elevado nível de provisionamento (essencialmente para crédito a clientes, títulos e imóveis), de 1.054,4 milhões e ainda da anulação da totalidade dos prejuízos fiscais reportáveis relativos ao ano de 2013 no valor de 160 milhões.

Comunicado da defesa de Ricardo Salgado