Os critérios usados pelos bancos na aprovação de empréstimos a empresas podem ser «ligeiramente menos restritivos» para as PME e para os créditos de curto prazo no próximo trimestre, segundo um inquérito divulgado esta quarta-feira pelo Banco de Portugal.

«Para os próximos três meses, a expectativa é de que se verifique uma ligeira diminuição da restritividade, especialmente nos empréstimos ou linhas de crédito a pequenas e médias empresas (PME) e nos empréstimos de curto prazo e de que a restritividade de critérios se mantenha no caso dos empréstimos a particulares», lê-se no inquérito aos bancos sobre o mercado de crédito, citado pela Lusa.

Segundo o documento, no próximo trimestre, deverá verificar-se «um ligeiro aumento da procura de empréstimos», especialmente por parte das PME, e, no caso de particulares, especialmente dirigidos a consumo e outros fins.

Já a procura tanto de empréstimos para aquisição de habitação como para consumo e outros fins, deverá manter-se «sem alterações significativas», podendo, contudo, «ocorrer um ligeiro aumento».

De acordo com os resultados do inquérito, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos a empresas e a particulares permaneceram sem alterações significativas, continuando a verificar-se um aumento na diferenciação com base no spread (margem de lucro do banco) aplicado aos diferentes perfis de risco.

A procura global de empréstimos estabilizou, tendo, contudo, sido registado um aumento na procura de crédito de curto prazo e uma diminuição na procura de empréstimos de longo prazo.