As autoridades judiciais norte-americanas e o BNP Paribas definiram as linhas gerais de um acordo que inclui uma multa de 8 mil a 9 mil milhões de dólares para o banco francês, informou esta segunda-feira o «The Wall Street Journal».

O banco é acusado nos Estados Unidos de ter violado embargos norte-americanos e de ter feito operações em dólares com países como o Irão, Cuba e o Sudão entre 2002 e 2009.

As autoridades dos Estados Unidos consideram que o banco escondeu intencionalmente transações no valor de 30 mil milhões de dólares que violavam as sanções económicas de Washington, a maioria das quais com o Sudão e em operações relacionadas com petróleo.

De acordo com a mesma fonte, o acordo prevê a saída da entidade bancária de cerca de 30 pessoas relacionadas com essas operações, mas a maioria delas já deixou o BNP.

O acordo final poderá ser formalizado no início de julho, embora a data ainda seja incerta devido à complexidade do caso e ao envolvimento de várias agências, segundo fontes próximas das conversações.

Até agora, as informações divulgadas na imprensa apontavam para uma multa superior a 10 mil milhões de dólares (cerca de 7,3 mil milhões de euros).