O número de cheques devolvidos em 2013 foi de 302.436, um recuo homólogo de 36,7% face aos 477.609 cheques devolvidos em 2012 e o nível mais baixo desde 2001, segundo os dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Do total de cheques devolvidos no ano passado, a fatia de leão deve-se à falta ou insuficiência de provisão (222.266), com os popularmente chamados cheques carecas a representarem 73,5% do total de devoluções.

Em 2012, tinham sido devolvidos por falta ou insuficiência de provisão 370.687 cheques, mais 40% do que no ano passado (e com um peso de 77,6% no total das devoluções).

Os cheques que foram devolvidos devido a terem sido apresentados fora de prazo foi o segundo motivo de devolução, com um peso de 6,4%, seguido pelos cheques devolvidos a pedido do banco tomador (5,9%) e pelos cheques revogados, que representaram 5,5%.

Os cheques devolvidos devido à conta associada estar bloqueada pesaram 1,8% e os cheques devolvidos sem motivo corresponderam a apenas 1,1% do total de devoluções.

Finalmente, os cheques devolvidos devido a «outros motivos», não especificados, pesaram 5,8%.

Já a percentagem de cheques devolvidos face à totalidade de cheques utilizados foi de 0,54% em 2013, abaixo dos 0,74% do ano anterior.

Os dados constam do relatório dos sistemas de pagamentos relativo a 2013 publicado pelo Banco de Portugal.