O Banco de Portugal considera que Portugal deve, em algumas áreas, aprofundar o processo de ajustamento, devido às «vulnerabilidades que a economia ainda apresenta.

No relatório de Estabilidade Financeira de novembro, o regulador sublinha que, «de entre estas vulnerabilidades, destacam-se o reduzido crescimento potencial da economia portuguesa e o elevado endividamento dos setores privado e público».

Para o BdP, é necessário garantir, simultaneamente, o crescimento económico – alocando o investimento a setores com elevada produtividade e procura sustentável – e a desalavancagem dos vários setores da economia portuguesa. Este «é claramente um dos maiores desafios da atualidade», adianta a instituição.

O BdP defende que é essencial definir «uma estratégia coerente e abrangente que promova a capitalização das empresas, fator essencial para compatibilizar investimento, crescimento económico e redução dos níveis de endividamento. No que se refere ao setor público, apesar da consolidação orçamental sem precedente observada nos últimos anos, os níveis de dívida não permitem aliviar o esforço de ajustamento».

Uma vez mais, o BdP defende que, neste contexto, o aprofundamento do processo de ajustamento da economia portuguesa é fundamental para manter a credibilidade externa do país e limitar a subida do custo de financiamento a suportar pelos vários setores económicos residentes».