Nunca um banco português tinha chumbado nos testes de stress à banca europeia, que são realizados pelo Banco Central Europeu (BCE) e pela Autoridade Bancária Europeia (EBA, sigla em inglês).

No entanto, este domingo aconteceu: dos três bancos analisados em Portugal – CGD, BPI e BCP – só este último, o banco liderado por Nuno Amado não passou nos exames.

Em Portugal, a avaliação abrangia, inicialmente, a Caixa Geral de Depósitos, o BPI, BCP e Espírito Santo Financial Group. Mas na sequência da medida de resolução aplicada ao Banco Espírito Santo (BES), foi decidido excluir este banco da presente divulgação de resultados da avaliação completa, dada a impossibilidade de concluir atempadamente o exercício para o Novo Banco. Apesar de ainda não serem conhecidos os resultados desta recente instituição, a TVI sabe que os testes de stress serão realizados ainda este ano.

Os testes de stress foram introduzidos na União Europeia depois da crise financeira de 2007/2008 para assegurar a solvência da banca da área do euro.

Estes exames são realizados em conjunto entre o Banco Central Europeu a Autoridade Bancária Europeia e abrangem mais de 100 bancos de 22 países europeus.

Recorde-se que os últimos testes foram realizados em 2011 pela Autoridade Bancária Europeia e, dos 90 examinados, chumbaram oito. No entanto, muita polémica «estalou» à volta desses resultados, uma vez que foram criticados por não terem conseguido detetar falhas em vários bancos.