O Repórter TVI desta noite recordou os momentos fulcrais que conduziram à resolução do BES, no dia em que faz um ano que o maior banco privado português colapsou.

A resolução do BES  a 3 de agosto de 2014, depois de apresentar um prejuízo histórico de 3.600 milhões de euros.

Nesse dia o Banco de Portugal tomou conta da instituição fundada pela Família Espírito Santo, através de uma medida de resolução que passou pela divisão do banco.

Os ativos tóxicos ficaram no BES, que ficou sem licença bancária, e os restantes foram separados e transitaram para o novo banco.

A nova instituição bancária recebeu uma injeção de quase 5.000 milhões de euros, por parte do Fundo de Resolução bancário, gerido pelo Banco de Portugal.

Quase 4.000 milhões de euros desse montante resultaram de um empréstimo feito pelo Estado e o restante resultou de capital concedido por vários bancos que operam em Portugal.

O anúncio da resolução do BES foi feito num domingo à noite pelo governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, que garantiu, tal como o Governo, que esta intervenção não penalizava as finanças públicas nem os depositantes do BES.

O Novo Banco foi entretanto posto à venda. Há três propostas de compra em cima da mesa e os interessados têm até sexta-feira para apresentar uma versão melhorada do negócio.