O banco BIC exige ao Estado um reembolso de 100 milhões de euros. Em causa estão despesas relacionadas com o contrato de privatizações do BPN.

O BIC pagou 40 milhões de euros para ficar com o BPN e agora exige ao Estado mais do dobro.

Segundo o jornal «Público», o contrato de privatização prevê que as ações judiciais contra o BPN, instauradas por clientes ou trabalhadores, seriam pagas pelo BIC, mas o Estado assumia o compromisso de depois reembolsar o banco.

Este contrato foi celebrado entre o banco luso-angolano e Maria Luís Albuquerque, agora ministra das Finanças.

No entanto, o Estado pode ser obrigado a um reembolso ainda maior já que as despesas totais com ações judiciais podem chegar aos 600 milhões de euros.