Apesar de só ter recuperado 20% do crédito que tinha sobre o BES Angola, o Novo Banco vai beneficiar com o prejuízo gerado por esta operação, escreve o Jornal de Negócios.

As perdas resultantes deste financiamento aumentaram o valor dos créditos fiscais que a instituição vai usar para reforçar o seu nível de solidez, um contributo importante para o banco cumprir os rácios de capital exigidos pelo supervisor no balanço inicial que vai ser divulgado esta semana.

Os prejuízos com o crédito ao BES Angola foram a principal razão para o aumento de ativos por impostos diferidos do Novo Banco. E, quanto maior é o DTA, maior será o impacto mos rácios de capital das instituições.

O Novo Banco tem 3,1 mil milhões de euros de DTA para usar, um valor que representa quase seis vezes mais do que o montante de créditos ficais que, no final de junho, estava disponível para o BES usar.

O crédito ao BES Angola ascendia a 3,3 mil milhões de euros, a que acresciam 300 milhões de juros,. Mas, por decisão do Banco Nacional de Angola, o Novo Banco só vai recuperar 730 milhões desse empréstimo, cerca de 20%.