A informação já tinha sido veiculada há cinco dias, mas agora o banco confirma: o grupo Lloyds vai encerrar 150 agências e despedir nove mil pessoas, durante os próximos três anos.

Uma parte do plano estratégico do banco foi revelado na apresentação de resultados, na qual a instituição revelou que vai investir mil milhões de libras (1,3 mil milhões de euros) em tecnologia digital.

No terceiro trimestre do ano, os lucros do banco ascenderam a 751 milhões de libras (952 milhões de euros), enquanto as perdas caíram abruptamente.

Ainda assim, o Lloyds teve de realizar mais 900 milhões de libras (1,1 mil milhões de euros) de provisões para indemnizar clientes para compensar clientes insatisfeitos com os Seguros de Protecção aos Pagamentos (PPI na sigla inglesa). Contas feitas, o custo total com esta questão já ascende aos 11 mil milhões de libras (13,9 mil milhões de euros).

O Lloyds já fechou 630 agências e atualmente opera com cerca de 2.000 através das marcas Lloyds Bank, Bank of Scotland e Halifax.

O banco liderado pelo português António Horta Osório, que em 2013 regressou ao lucro, registou durante o primeiro semestre deste ano ganhos líquidos de 699 milhões de libras (ou 882 milhões de euros), o que representa uma queda de quase 60% face ao mesmo período do ano passado.