A posição do Estado no Banif poderá ser vendida abaixo do valor aplicado em ações do banco, escreve o Jornal de Negócios.

Apesar de o contrato assinado entre o banco e o Tesouro prever o reembolso da ajuda pública, acrescido de uma remuneração, a lei permite que o governo possa fixar um preço diferente, sempre com o valor de mercado como referência.

A saída do Estado do banco por menos de 700 milhões depende da vontade política do Governo, sendo que será necessário o aval de Bruxelas.

A preços de sexta-feira, o Banif valia no mercado 335 milhões de euros. Um novo acionistas deverá ter sempre de realizar uma injeção de capital do Banif, para que o banco possa ter uma folga de solidez face às exigências que lhe vão ser impostas pelo BCE, em função do seu perfil de risco.