O banco Efisa vai deixar de ser público: 38 milhões de euros é o preço oferecido pela Pivot, a sociedade a quem a estatal Parparticipadas, que herdou as participações do BPN, aceitou vender o banco de investimento, escreve o Negócios.

O valor não prevê qualquer capitalização após a venda, já que esse esforço foi feito antes da operação: até março foram injetados 52,5 milhões de euros, parte deles para reembolsar duas linhas de crédito concedidas pelo BPN ao Efisa, que ficaram fora do perímetro da venda do primeiro ao BIC.

Em junho houve novo aumento de capital de 12,5 milhões de euros, estando previstos dois novos aumentos de capital, no mesmo montante, para setembro e dezembro.

A decisão passa para o Banco de Portugal, que dará um parecer ao Banco Central Europeu. A Pivot foi constituída a 3 de julho. Como acionistas tem Ricardo Santos Silva, Aba Schubert, Mário Palhares (ex-vice-governador do Banco Nacional de Angola) e António Bernardo, consultor da Roland Berger.