O défice de fundos próprios do Banco Comercial Português (BCP) identificado no âmbito da avaliação completa levada a cabo pelo Banco Central Europeu (BCE) e pela Autoridade Bancária Europeia (EBA) ascende a 1.137 milhões de euros.

Testes de stress: BCP é o único banco português que chumba

O rácio de capital
Common Equity Tier 1 (CET1) - usado para medir a solvabilidade dos bancos - do BCP no cenário base dos testes de esforço à banca europeia é de 8,8% em 2016, acima do mínimo de 8% definido no exercício, mas no cenário adverso cai para 3%, abaixo dos 5,5% exigidos pelas autoridades europeias.

É esta diferença de 251 pontos base (2,51%) ao nível do CET1 calculado para 2016 no cenário adverso dos testes de stress que corresponde ao défice de 1.137 milhões de euros projetados para o BCP.

De resto, o rácio de capital CET1 apresentado pelo Banco Comercial Português (BCP) no final de dezembro de 2013 foi de 12,2%, porém, após a avaliação de ativos feita pelo Banco Central Europeu (BCE), esse indicador financeiro cai para 10,3%. Ou seja, o impacto do exercício no CET1 do BCP ascendeu a quase 900 milhões de euros.

O Banco de Portugal já emitiu um comunicado realçando que o BCP «já identificou um conjunto de medidas para cobrir integralmente a diferença apurada, as quais serão agora incorporadas no plano de capitalização a apresentar ao BCE tal como previsto no exercício».

E salientou que, no caso específico do BCP, o teste de esforço não permitiu «captar a globalidade da trajetória positiva decorrente da implementação do plano de reestruturação negociado com a Comissão Europeia, nem tomar em consideração medidas que o banco poderia adotar caso o cenário adverso se materializasse efetivamente».

A entidade liderada por Carlos Costa considerou também que «as hipóteses do exercício foram especialmente penalizadoras para bancos cujo ponto de partida do exercício de teste de esforço coincidiu com um ano particularmente adverso, como é o caso dos bancos portugueses».

E sublinhou que os bancos portugueses registaram em 2013 «os piores resultados da história recente, decorrentes do contexto macroeconómico adverso».