A resolução do Banif causou perdas a 39.728 acionistas que, em conjunto, detêm 31,33% do capital, revela o Diário Económico.

A medida anunciada pelo Governo permitiu salvaguardar todos os depósitos e também a dívida sénior, enquanto os restantes credores ficaram no “banco mau”, que não tem ativos suficientes para cobrir as perdas dos acionistas e credores subordinados.

As perdas aplicam-se também aos grandes acionistas, incluindo o próprio Estado, que detém 60,5% do capital. Perde 700 milhões de euros que investiu em ações especiais, assim como os 125 milhões de euros em dívida da última tranche dos “Cocos”.

Recorde-se que o ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou que o processo Banif será o último em que o atual Governo usa dinheiro público na resolução de um problema do setor da banca em Portugal.