O banco holandês Rabobank informou esta terça-feira que vai pagar uma multa de 774 milhões de euros pela manipulação das taxas de juros interbancárias Libor e Euribor e que o seu presidente, Piet Moerland, se demitiu devido ao escândalo.

Em comunicado, o banco indicou que chegou a acordo com as autoridades competentes da Holanda, Reino Unido e Estados Unidos e com a agência japonesa de serviços financeiros para encerrar o caso e evitar complicadas ações na justiça.

O comunicado refere que o acordo implica o pagamento de uma multa de aproximadamente 774 milhões de euros e que «30 funcionários estiveram envolvidos em práticas inadequadas».

O diretor do Rabobank apresentou a sua demissão «com efeitos imediatos à luz das conclusões dos inquéritos sobre a Libor e a Euribor», acrescentou o banco.

As duas taxas são calculadas a partir de dados fornecidos diariamente por um grupo de bancos comerciais.

O diretor da Autoridade Financeira Britânica, Tracey McDermott, indicou em comunicado que «a conduta profissional do Rabobank foi das mais graves quanto à Libor».

Os funcionários do banco «trataram a fixação da Libor como um meio potencial para ganhar dinheiro, sem qualquer consideração pela integridade do mercado», acrescentou.

Piet Moerland, citado no comunicado, declarou lamentar «sinceramente que alguns funcionários tenham agido de forma inadequada» e disse que se demite por «uma questão de princípios».

O grupo bancário tomou «medidas disciplinares» contra todos os funcionários envolvidos de alguma forma na manipulação da Libor e da Euribor que ainda trabalhem no Rabobank e despediu os que cometeram «práticas mais graves».