Uma em cada quatro baixas médicas prolongadas foi cancelada após fiscalização da Segurança Social. O regime de fiscalização extraordinária abrangeu, desde o início do verão, mais de 1.700 pessoas e quase 450 foram consideradas aptas para regressar ao trabalho

O balanço é citado pelo Jornal de Notícias e estão em causa pessoas que se encontram de baixa há mais de 40 dias e nunca tinham sido convocadas para verificação de incapacidade temporária ou tenham faltado à chamada.

Em agosto, o número de beneficiários de baixa por doença foi o mais baixo desde janeiro: quase 108 mil pessoas, menos 16 mil que em julho. O Porto é o distrito com maior número de baixas, seguido de Lisboa.

No ano passado, os gastos do Estado com o pagamento de baixas ultrapassaram os 452 milhões de euros.

Para o Governo, o controlo das baixas é uma prioridade no âmbito do plano de luta contra a evasão fiscal e contributiva. E permitirá reduzir a despesa, segundo espera o Executivo, em cerca de 60 milhões de euros este ano.