O presidente da Baía do Tejo, Jacinto Pereira, entende que o parque empresarial do Barreiro, na margem sul, tem as melhores condições para receber o novo terminal de contentores, considerando uma oportunidade para avançar com a descontaminação do rio.

«Nós entendemos esta possibilidade do Barreiro receber o novo terminal [de contentores] como fundamental para o desenvolvimento destes territórios. Esta administração entrou em funções há dois anos e meio e delineou uma estratégia para atrair mais empresas, investimentos e postos de trabalho», explicou Jacinto Pereira em declarações à Lusa.

A Baía do Tejo, empresa do universo Parpública, tem a seu cargo a gestão dos Parques Empresariais Baía do Tejo, localizados no Barreiro, Seixal e Estarreja, bem como a gestão do projeto Arco Ribeirinho Sul, de reconversão das antigas áreas industriais da Quimiparque (Barreiro), Margueira (Almada) e Siderurgia (Seixal), na margem do sul do Tejo.

A confirmar-se a construção do novo terminal no Barreiro, seria no território do Baía do Tejo, o que para Jacinto Pereira constituiria um «catalisador importante» para a estratégia da empresa.

«Este espaço tem todas as condições. Em termos de infraestruturas, de todas as hipóteses, este é o local que reúne melhores condições para receber o novo terminal», defendeu, lembrando, por exemplo, que já existe linha ferroviária no local.

Os cerca de 240 hectares do Parque Empresarial da Baía do Tejo, que correspondem a 10 por cento do território do município do Barreiro, são um espaço que herdou os passivos ambientais do antigo complexo industrial CUF/Quimigal.

Jacinto Pereira referiu que os trabalhos de descontaminação dos solos têm vindo a decorrer nos últimos anos e que para 2015 estão previstos mais investimentos nesta área.

«É um trabalho continuado de descontaminação dos solos, que vai continuar a ser feito. Está pensado o lançamento de candidaturas [a fundos comunitários] no valor de cerca de 13 milhões de euros durante o ano 2015», salientou.
O responsável considerou que o novo terminal no concelho pode ser também uma oportunidade para intervir ao nível do rio.

«Estão a avançar os estudos de impacto ambiental. A implementação do novo terminal de contentores é uma oportunidade para avançar com a descontaminação do rio Tejo, já que em terra é obrigação da Baía do Tejo e essa está a avançar», defendeu, referindo que já foram retirados muitos milhões de toneladas de resíduos.