Há um novo investidore interessado na TAP: segundo o jornal Público, é uma companhia de aviação da América Latina, uma solução que será considerada preferencial na altura de vender a transportadora aérea.

Até lá a portuguesa terá de avançar com um plano que lhe permita sobreviver à escassez de meios, já que a banca geralmente não concede crédito nestes momentos e já não é possível pedir dinheiro à Parpública.

A abordagem ainda está na fase preliminar, com a empresa a pedir informações sobre a operação. É dada prioridade a propostas estratégicas, de candidatos ligados à aviação, sobretudo os que venham de geografias complementares à TAP, como é o caso da América Latina.

Já há dois investidores com estas características que demonstram vontade em concorrer: a Avianca, de Gérman Efromovich, e a Azul, de David Neeleman. Há outro investidor que manifestou, por escrito, o interesse em participar no processo: a Air Europa, que faz parte do grupo espanhol Globalia.